Sexo, Medo e Separação


Como alguém já disse; sexo é algo muito profundo. O medo aparece justamente porque aquele é o momento, onde se atravessa os limites do eu, a criatura entra em contato com um, para além do seu eu, para uma parte que fica no inconsciente. É de onde surge a insegurança e o medo, um sentimento indecifrável. O sexo aqui está relacionado não apenas com o físico, mas também com sentimento, com a parte da entrega, pois se a relação é passageira e de pouca afetividade não leva o indivíduo a uma tamanha insegurança, porque não houve separação de sí para o outro, não houve tempo para entrar em contato, ou seja, não há tempo para se sair do amor narcísico para o objetal (pessoa)
Quando há entrega de ambas as partes, o eu é quebrado e entra-se num estado de comunhão chamado pelos religiosos de experiência que transcende e que vai além. E é exatamente este além que é tão belo e que ao mesmo tempo assusta tanto por ser desconhecido.